wordpress

Como Otimizar o WordPress 2017

Vamos Otimizar o WordPress?

wordpress

Hoje nós trazemos para vocês algumas dicas sobre WordPress, a ferramenta CMS (Sistema de gerenciamento de conteúdo) mais utilizado e conhecido na atualidade.
Muitos dos nosso usuários encontram problemas para otimizar o WordPress e torna-lo mais rápida e eficiente.

Então com esse intuito traremos algumas dicas no estilo BuzzFeed.
Incrementaremos também, para que vocês possam otimizar seus websites e ajudar também os seus clientes.

Primeiramente, vamos falar um pouco sobre Plugins, nossa querida faca de dois gumes dessa plataforma.
Ele é conhecida por ter uma gama gigantesca de plugins de diversos tipos e de objetivos variados. Muitas vezes, acabamos por utilizar plugins desatualizados, ou que acabam por pesar nosso website. Aos que ainda desconhecem dessa excelente opção, vamos a primeira dica:

1 – Como adicionar e remover Plug-ins

Dentro do seu sistema de gerenciamento, na esquerdo, há uma aba chamada Plugins que permite o gerenciamento. Através dela, você pode ver seus plugins ativos, desativa-los, pesquisar novos, instalar ou desinstalar, como mostrado na imagem abaixo.

Diretório de Plugins

Vale a pena sempre conferir se o Plug-in é compatível com a versão que você está utilizando do WordPress. Lembre-se também que para otimizar o WordPress, é importante mante-lo atualizado.

2 – Remova o que é desnecessário

Existem vários plugins que são voltados para o design do seu website, mas reflita, ele é mesmo necessário? Repense o que é importante para o carregamento da página e como mostrado na ferramenta anterior, desative os plugins que não são essenciais para seu website ou de seu cliente.

 

3 – Use um Plugin para avaliar o seu Plugin

Pode até parecer irônico, mas essa é uma das dicas mais importantes

Com um Plugin chamado P3 (Plugin Performance Profiler), você pode analisar os seus plugins e verificar qual é o responsável por tornar sua página mais lenta e quem está consumindo mais do que deveria. Se interessou? Clique Aqui.

 

4 – Cache, o ás na manga

Agora vamos ao que interessa, o que recomendaremos agora vai depender da sua aplicação, quais funcionalidades você utiliza. Existem dois Plugins, WP SuperCache e WP TotalCache, vamos falar um pouco deles.

WP SuperCache

Um plugin que gera um HTML estático, ou seja, ele cria uma página estática de fácil carregamento para a maioria dos usuários. Tornando a disponibilização dessa bem mais rápida e efetiva para usuários que não atualizam/integrarem com a página, não utilizam algum tipo de login de confirmação.
Sendo assim boa parte dos visitantes não convencionais do seu website, terão acesso a essa versão otimizada, o que poupará o processamento do servidor, logo também da pagina.

Ele é capaz de trabalhar de três maneiras:

– Mod_Rewrite:
usando a ferramenta de Mod_rewrite da Apache (ou de outra plataforma, se for o seu caso) fará com que o PHP da página seja ignorado.

Caso já esteja armazenado em Cache, será carregada apenas uma página estática. Isso fará com que ela carregue bem mais rápido, porém, nas páginas administrativas ou em que o usuário esteja logado no Word Press, elas não ficarão em cache.

– Site estático em PHP: 
O PHP usará a página estática, caso exista, como base para carregar. tornando-a quase tão rápida quanto o Mod_rewrite. Sendo assim, parte da página sempre terá conteúdo estático, enquanto as áreas de interação continuarão a usar o PHP para carregamento. Esta solução é intermediária em questão de qualidade e processamento.

– Modo Legado:
Este modo é usado mais para os sites que possuem muito conteúdo dinâmico (que muda de usuário para usuário do site), sejam eles logados ou não.
Este é o método mais flexível, porém mais lento de se utilizar, pois a cada acesso, ele irá gerar uma nova página, com as informações registradas anteriormente. A cada acesso e interação, a página terá um novo peso.

Com o Plugin SuperCache, não é possível executar comandos como Apc, Memcache ou Opcache, por isto este plugin é recomendado para os servidores que não possuem estas tecnologias.

Caso utilize servidor cPanel, o WP Super Cache é indicado quando se roda o PHP em modo SuPHP, onde se prioriza a segurança, e é este o caso de nossas Revendas Linux, portanto se for nosso cliente de Revenda Linux utilize este plugin para deixar seu site mais rápido.

W3 TotalCache 
Esse Plugin é capaz de compactar e combinar os arquivos CSS e JavaScript e reduzir o número de consultas ao Banco de Dados. Ele utiliza o cache do próprio navegador e o serviço de CDN, mas o ganho principal em performance do mesmo, diferentemente do plugin anterior, é a possibilidade de se utilizar um mecanismo de cache de objetos como APC, Memchace e Opcache. Com isto o ganho de performance, principalmente para sites grandes, pode ser excepcional.

 

5 – Avaliador de página

Afinal, depois de tantas alterações, precisamos saber se realmente fizemos algo efetivo.

O plugin Page Speed Insight, da Google é um dos mais conhecidos e comuns na função, capaz de testar não apenas o carregamento para desktops, mas também a experiência na versão Mobile.

Ele trás um medidor de 0 – 100 e quais pontos são necessários para ainda serem corrigidos, tanto no Mobile quanto Desktop.

 

6 –  Proteção é sempre importante

Otimizar o Wordpress também significa ter proteção, utilizando senhas fortes, evitando ataques Brute-Force contra seu site.

Este ataque de Brute-Force consiste em mecanismos automáticos de “chute” de senhas, até conseguir descobrir sua senha administrativa. Geralmente se tem êxito quando a senha é simples.

Para essa função, recomendamos um programa de gestão de senhas chamado KeePass. Um programa capaz de gerar senhas aleatórias de alta complexidade e segurança.

Ele possui forte encriptação que opcionalmente pode utilizar um arquivo externo para validar o acesso à uma carteira de senhas. Nela você pode salvar endereços de site, logins, etc, onde serão utilizadas as respectivas senhas.

O Brute-Force costuma ir além do simples Login do site, podendo tentar invadir outros diretórios protegidos por senhas. O que nos leva ao nosso próximo passo.

 

7 – Proteja seus diretórios

Agora vamos trazer uma dica de conteúdo mais técnico, mas tão importante quanto. Proteja seu arquivo wp-config.php. Caso utilize Apache como Webserver, adicionando em seu arquivo .htaccess da pasta raiz a seguinte informação, para não expor o conteúdo dos arquivos executados:

1
2
3
<FilesMatch ^wp-config.php$>
Deny from all</FilesMatch>

 

8 – Back-ups

Não há muito a ser dito, quem tem um backup está a salvo de imprevistos. Para os mais independentes e precavidos, recomendamos o Plugin WP-DB-Backup para que possa fazer também o backup de seu banco de dados. Faça também o backup do seu diretório e informações do WordPress.

 

9 – Impedir acesso à listagem de diretórios

Adicione a linha abaixo em seu arquivo .htaccess  raiz (caso utilize webserver Apache), pois, caso ocorra alguma falha de plugins, será útil para não expor seus diretórios:

1
Options All -Indexes

 

Atendimento